resep nasi kuning resep ayam bakar resep puding coklat resep nasi goreng resep kue nastar resep bolu kukus resep puding brownies resep brownies kukus resep kue lapis resep opor ayam bumbu sate kue bolu cara membuat bakso cara membuat es krim resep rendang resep pancake resep ayam goreng resep ikan bakar cara membuat risoles
Desafios e oportunidades da crise

2009 . Ano 6 . Edição 48 - 10/03/2009

Salvador Werneck Vianna, Eliane Araújo e André Modenesi

Passado o que (espera-se) tenha sido o pior momento da crise financeira, fortes impactos já estão ocorrendo no setor real das economias desenvolvidas. EUA, Japão e as principais nações européias enfrentam o duplo desafio de prover o resgate de seus sistemas financeiros e de mitigar as consequências da crise: recessão prolongada, deflação e desemprego em massa.

Quanto às respostas, de curto e médio prazos, aos efeitos da crise sobre a economia real, importa observar que, na maioria dos países - incluindo os principais emergentes, como China e Índia - essas têm se baseado, essencialmente, na combinação entre políticas fiscais e monetárias visando a reativação da demanda. Assim é que diversos programas de gasto público (o mais vultoso, o chinês) têm sido anunciados, e as taxas de juros vêm sendo reduzidas sistematicamente (a destacar o caso americano). É sob este prisma que se deve examinar o impacto da crise sobre o Brasil.

Os efeitos começaram a se fazer sentir sobre a economia brasileira em meados de setembro, e concretizaram-se de maneira mais intensa no mercado de câmbio, quando teve início um processo de depreciação do real cujos limites ainda parecem incertos. A cotação do dólar saltou de R$ 1,6 para R$ 2,3, patamar em torno do qual tem oscilado bastante, tendo já sido registrados valores próximos a R$ 2,5.

Todavia, a crise traz impactos que podem ser interpretados como positivos e, mais importante, abre uma janela de oportunidades que, se corretamente aproveitada, pode deixar a economia brasileira numa posição privilegiada quando a economia global se restabelecer. Primeiro, porque a desaceleração econômica fará grande parte do trabalho de combate à inflação que de outro modo, certamente, adviria da depreciação cambial.

Segundo, e mais importante, essa depreciação cambial pode ser positiva para as exportações brasileiras em um momento em que a concorrência externa será muito maior. A taxa de câmbio mantida em nível mais competitivo pode implicar maiores investimentos no setor exportador, desenvolvimento de um setor de produtos manufaturados com maior valor agregado e independente do setor de commodities, bem como estimular a produtividade dos setores de bens comercializáveis. Ressalte-se que os problemas ligados ao setor externo são de extrema relevância para a economia brasileira, pois de forma geral, pode-se afirmar que, desde os anos 1960, as interrupções no processo de crescimento da economia brasileira se deram, em grande medida, devido às restrições externas.

A questão central, no entanto, é que o aproveitamento das oportunidades que a crise oferece dependerá de maneira crucial da estratégia de política econômica adotada, que passa, antes de tudo, por uma coordenação entre as políticas fiscal e monetária. Nesse sentido, a falta de coordenação que tem marcado a política econômica do governo Lula tornou-se ainda mais problemática. A política monetária continua sendo fortemente restritiva, com o Brasil se mantendo na liderança no ranking das taxas de juros reais. Concomitantemente, as políticas creditícia e fiscal têm sido flexibilizadas.

O esforço em se evitar uma maior contração no crédito somado ao aumento da renda disponível - decorrente da redução do IPI, do IOF e da criação de uma nova faixa do IRPF - aquece a demanda agregada. O efeito anticíclico dessas medidas é usado pelo BC como justificativa para a manutenção elevada da Selic.

Cria-se, assim, um círculo vicioso. As políticas fiscal e creditícia atuam no sentido de evitar uma maior desaceleração econômica. O BC, por sua vez, justifica a rigidez monetária com base em um suposto descompasso entre a oferta e demanda agregada. Quanto mais eficazes forem as primeiras políticas , mais munição tem o BC para justificar a não redução da taxa de juros.


Salvador Werneck Vianna (foto), Eliane Araújo e André Modenesi são, respectivamente, coordenador do Grupo de Regimes Monetário e Cambial da Diretoria de Estudos Macroeconômicos (Dimac) do Ipea, técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea e professor do Ibmec