resep nasi kuning resep ayam bakar resep puding coklat resep nasi goreng resep kue nastar resep bolu kukus resep puding brownies resep brownies kukus resep kue lapis resep opor ayam bumbu sate kue bolu cara membuat bakso cara membuat es krim resep rendang resep pancake resep ayam goreng resep ikan bakar cara membuat risoles
A pesquisa em saneamento básico

2009 . Ano 6 . Edição 53 - 3/08/2009

Léo Heller

A discussão sobre a pesquisa no campo do saneamento básico no Brasil tem sido relativamente incipiente. Os pesquisadores discutem, em geral, os temas, sua relevância, sua pertinência e abordagens metodológicas. A visão, em maior amplitude e com mais distanciamento, sobre a direção e o sentido dessa pesquisa e sobre possíveis prioridades nacionais em ciência e tecnologia na área, que inclusive possam subsidiar políticas setoriais, têm sido, no entanto, pouco frequentes. Tal enfoque permitiria vislumbrar a pesquisa e a função social do setor, bem como situá-la na sua atual moldura regulatória, legal e institucional. Evidentemente, cabe não apenas colocar um olhar sobre o estágio tecnológico nacional e suas demandas presentes e futuras, como também sintonizálo com as tendências internacionais, sob o risco de uma miopia xenófoba na discussão.

No debate, deve-se assumir que o tema do saneamento básico é envolvido em uma teia de complexidade, com múltiplos tentáculos. Tema cativo do campo da engenharia, ou da engenharia sanitária, ao se enxergar o saneamento básico a partir dos seus fins - e não exclusivamente dos meios necessários para atingir os objetivos almejados -, abre-se um leque de necessárias abordagens disciplinares, abrangendo um importante conjunto de áreas de conhecimento, desde as ciências humanas até as ciências da saúde, obviamente transitando pelas tecnologias e pelas ciências sociais aplicadas. Se o objeto saneamento básico encontra-se na interseção entre o ambiente, o ser humano e as técnicas, podem ser facilmente traçados distintos percursos multidisciplinares, potencialmente enriquecedores para a sua compreensão.

Avaliando-se uma amostra de teses de doutorado defendidas em três programas de pós-graduação brasileiros, que têm como motivação específica o tema do saneamento básico e em geral com forte visão tecnológica, podem-se observar algumas tendências. Por um lado, verifica-se baixa participação de temas que apontam para mudanças paradigmáticas e número não muito significativo de temas que se localizam na fronteira do conhecimento. Em geral, predominam abordagens relacionadas às técnicas e à solução de problemas tecnológicos, com baixa incursão por temas relacionados à sua relação com a sociedade, com as políticas públicas, com os modelos de prestação de serviços e com a interface setorial, embora deva se reconhecer que o concurso de diversas áreas de conhecimento, como a biologia e as ciências exatas, esteja presente.

Mesmo se compreendendo que a pesquisa, básica ou aplicada, deve se constituir em um espaço de liberdade e criatividade, a partir de onde novas perspectivas possam emergir, elementos norteadores, em uma política de ciência e tecnologia na área, seriam essenciais para uma consistente e convergente direção. Tem-se convicção de que a pesquisa e o desenvolvimento na área de saneamento básico, particularmente em um país com a nossa realidade, estarão tanto mais contribuindo para o desenvolvimento nacional, quanto mais atentos estiverem com o estágio tecnológico do setor e suas necessidades, face às demandas presentes e futuras do atendimento à população. Sem qualquer esforço sistematizado de prospecção, não seria leviano destacar que se encontram importantes lacunas de conhecimento na área, por exemplo, para mais efetivamente subsidiar decisões sobre intervenções; apoiar medidas de controle, como o de endemias e de situações epidêmicas; contribuir para o planejamento; avaliar políticas, programas, estratégias de participação e modelos de gestão.

Uma observação, mesmo que ligeira, do perfil da pesquisa na área sugere a necessidade de uma mais aprofundada avaliação de suas motivações e tendências. Sobretudo a partir do atual marco legal do setor, em especial com referência nas leis dos consórcios públicos (11.107/2005) e das diretrizes nacionais para o saneamento básico (11.445/2007), parece pertinente pensar-se em uma avaliação de fôlego, indagando-se se o acúmulo de pesquisas desenvolvidas tem sido capaz de iluminar o planejamento do setor, a avaliação de suas políticas e programas e mesmo a compreensão do desempenho das técnicas. Ou seja, se a pesquisa na área é atualmente apoiada por um razoável número de iniciativas e programas, de caráter induzido ou não, o somatório de tais esforços não conduz a uma direção intencional. O conjunto de iniciativas e programas não pode ser considerado uma política de investigação na área, política esta premente, dada a essencialidade do setor e a reconhecida necessidade de a pesquisa científica e tecnológica contribuírem para a superação das perversas carências populacionais exibidas.

Por fim, deve-se destacar a necessidade de ampliação das abordagens, incorporando-se, aos tradicionais métodos de investigação na área, novas formas de observar e interpretar a realidade. Repetindo Morin: "A palavra método deve ser concebida em seu sentido original, e não em seu sentido na perspectiva clássica, em que o método não é mais do que um corpus de receitas, de aplicações quase mecânicas. O método, para ser estabelecido, necessita de estratégia, iniciativa, invenção, arte. Estabelecese uma relação recorrente entre método e teoria. O método, gerado pela teoria, a regenera."


Léo Heller é professor associado do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMG, editor nacional da Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, pesquisador do CNPq e membro do Comitê de Assessoramento em Ciências Ambientais do CNPq.