O desafio de ampliar a produtividade Imprimir

2013 . Ano 10 . Edição 78 - 16/01/2014

rd78not04img01

Nos últimos 30 anos, o Brasil reduziu a pobreza e os índices de desigualdades, fatores que contribuíram para o surgimento de uma nova classe média. Agora, o país está ciente de que precisa dar um salto qualitativo para manter taxas de crescimento sustentáveis. Para isso, terá que se esforçar para aumentar a produtividade. Estudos do Ipea e da SAE apontam para essa possibilidade. Um deles é o mapa das políticas públicas para a produtividade, com foco em determinantes microeconômicos, a ser lançado em 2014

Adriana Nicácio

Guarde bem a palavra: produtividade. Ela estará no centro de todas as discussões sobre políticas públicas no Brasil e fará parte das principais preocupações do setor privado em 2014. O norte-americano Paul Krugman, prêmio Nobel de Economia de 2008, explica por que o indicador entrou no radar dos intelectuais e do setor produtivo brasileiro: “A produtividade não é tudo, mas no longo prazo é quase tudo. A capacidade de um país melhorar seu padrão de vida ao longo prazo depende quase inteiramente de sua capacidade de aumentar a produção por trabalhador”.

O Brasil amarga baixas posições internacionais. Pelo ranking do Fórum Econômico Mundial, o país aparece em 56º em 2013, oito colocações a menos de onde estava no ano anterior. Se nada for feito, esse cenário pode se agravar, pois a produtividade do trabalho nas nações desenvolvidas cresce rapidamente. Nos anos 80, a diferença variava entre 180% e 200%, atualmente é de 300%, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Na avaliação do ministro-chefe interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) e presidente do Ipea, Marcelo Neri, “aumentar a produtividade do trabalho é a forma mais garantida de sustentar a nova classe média e de manter o Brasil na trajetória de crescimento com distribuição de renda, uma das principais características da economia nacional”. Na última década, o Brasil criou sua nova classe média pela combinação de uma forte redução da desigualdade com algum crescimento econômico. Um dado concreto é que a renda dos 10% mais pobres subiu 5 vezes mais do que a dos 10% mais ricos no país. A desigualdade é grande e ainda há muito que avançar. Contudo, lembra Neri, há limites para a redução da desigualdade não acompanhada de crescimento econômico. “A felicidade geral da nação a longo prazo será mapeada pela produtividade”, diz o ministro. “Não há como fugir dessa equação.”

Foto: João Viana/Ipea

“Aumentar a produtividade
do trabalho é a forma mais
garantida de sustentar
a nova classe média e
de manter o Brasil na
trajetória de crescimento
com distribuição de renda”



Marcelo Neri, ministro-chefe interino
da Secretaria de Assuntos Estratégicos
(SAE) e presidente do Ipea

rd78not04img02

Enfim, está claro que o Brasil só conseguirá manter taxas de crescimento sustentáveis se fizer um esforço maior para aumentar sua produtividade na economia. A questão, agora, é como fazer? A SAE e o Ipea decidiram olhar para o tema de maneira singular, como um grande desafio estratégico, elaborando um mapa das políticas públicas para a produtividade, trabalho minucioso a ser apresentado em 2014, com foco em determinantes microeconômicos. Hoje, o país possui cerca de 100 políticas públicas para aumentar a produtividade, dispersas entre os mais diferentes ministérios. Para o subsecretário da SAE, o doutor em economia Ricardo Paes de Barros, no entanto, há a necessidade de coordenar todas essas ações. O objetivo não é atacar em 100 diferentes frentes, mas contribuir com a questão mostrando um grande retrato da floresta; é muito mais ter uma visão dos diferentes caminhos do que escolher as rotas. “O mapa será importante para identifi car os problemas”, diz. Paes de Barros lembra que o sucesso do Brasil na área social é grande, mas não é pleno. “Nossa preocupação é muito séria, pois temos sistematicamente aumentado a remuneração do trabalho a uma velocidade muito mais alta do que melhoramos a produtividade. No longo prazo, isso pode ser um problema”, observa.

rd78not04img03

Os primeiros resultados de pesquisas já começaram a aparecer. A edição especial sobre produtividade do boletim Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, publicação do Ipea, mostra que a produtividade do trabalho manteve, nas décadas de 1990 e 2000, crescimento de apenas 1%, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) subiu em torno de 2%. Segundo o estudo, esse deslocamento pode ser atribuído ao aumento das taxas de ocupação e da participação no mercado de trabalho. No entanto, com o desemprego já em seu piso histórico, será quase impossível conquistar taxas mais elevadas de crescimento do PIB per capita sem um crescimento da produtividade do trabalho.

rd78not04img04
Foto: José Cruz/ABr
rd78not04img05

“Nossa preocupação
é muito séria, pois
temos sistematicamente
aumentado a remuneração
do trabalho a uma
velocidade muito mais
alta do que melhoramos
a produtividade. No
longo prazo, isso pode
ser um problema”



Ricardo Paes de Barros,
subsecretário da SAE
José Cruz

O desempenho setorial, contudo, varia muito. A agropecuária e a indústria extrativa tiveram taxas médias anuais de crescimento da produtividade do trabalho de 3,8% e 2%, respectivamente. Mas a indústria de transformação caiu 0,8%, revelando as dificuldades que têm atingido este setor no país nas últimas décadas. O setor de serviços – que representa 67% do PIB – apresentou crescimento médio anual de apenas 0,6%.

Um dos autores da pesquisa, o diretoradjunto de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, Regulação e Infraestrutura (Diset) do Ipea, o economista Luiz Ricardo Cavalcante, diz que é fundamental melhorar o posicionamento das políticas públicas brasileiras em relação à produtividade. E diversas hipóteses podem explicar a falta de produtividade da economia, como baixo investimento em inovação, falta de mão de obra qualificada e gargalos na infraestrutura. “O grande desafi o é conseguirmos entender, em cada segmento, quais são os determinantes mais importantes para o crescimento da produtividade”, diz Cavalcante.

O pesquisador do Ipea explica que não adianta dizer que é preciso aumentar a inovação, a qualifi cação e melhorar a infraestrutura em todo o país. “Simplesmente porque os recursos são limitados, não dá para fazer tudo ao mesmo tempo”, afirma. A saída para a elaboração de políticas públicas mais eficientes é conhecer e identificar quais são as necessidades de cada setor da economia e sugerir intervenções cirúrgicas, seja em educação ou inovação, por exemplo. “Quando conseguimos saber o que é importante para cada segmento, passamos a ter um portfólio de políticas com resultados mais efetivos num espaço de tempo menor”, adianta.

Mas a produtividade é um indicador traiçoeiro e pequenos detalhes na base de dados e nos modelos de cálculos interferem muito nos resultados. O pesquisador do Ipea Alexandre Messa iniciou uma revisão dos diferentes métodos de cálculo da Produtividade Total de Fatores (PTF), que tenta medir a eficiência com que a economia usa seus recursos para gerar riqueza. A partir dessa consolidação metodológica, será possível identificar as potencialidades e as limitações dos indicadores de produtividade.

NOVA FRENTE Em outra frente, a SAE lançou o estudo Determinantes da Produtividade do Trabalho para a Estratégia sobre Sustentabilidade e Promoção da Classe Média. Esse trabalho mostra que a distribuição de renda brasileira passou por profundas transformações ao longo da última década. O Brasil tornou-se um país inclusivo e o grau de desigualdade, historicamente elevado e resistente à queda, passou a cair de forma significativa.

rd78not04img06

rd78not04img07

Nos últimos 30 anos, o Brasil viu o percentual de pobres cair, ao mesmo tempo em que a classe média aumentou. No período, a classe baixa diminuiu 21 pontos percentuais e a classe média subiu 14 pontos percentuais. Essa diferença de sete pontos percentuais representa os brasileiros que deixaram a classe baixa em direção à classe média. Atualmente, a classe média responde por mais da metade da população brasileira, o que significa que, se fosse um país, seria o 12º mais populoso do mundo, com mais de 100 milhões de habitantes, e o 18º maior mercado consumidor do planeta.

Foto: Divulgação
rd78not04img08

“Quando conseguimos
saber o que é importante
para cada segmento,
passamos a ter um
portfólio de políticas
com resultados mais
efetivos num espaço
de tempo menor”.



Luiz Ricardo Cavalcante,
diretor-adjunto da Diset do Ipea

Ao contrário do que se pode pensar, não foram as políticas de transferência de renda o fator mais importante para o surgimento dessa nova classe média, mas o trabalho. O estudo da SAE diz que cerca de 70% do contraste na renda per capita entre as classes baixa e média no Brasil ocorrem por diferenças de remuneração do trabalho. Além disso, cerca de 60% do crescimento da renda per capita da classe média atual resultam dos aumentos na remuneração do trabalho.

A grande preocupação é que percentual tão grande de famílias tenha saído da pobreza pela inclusão produtiva e a produtividade praticamente se manteve intacta. Entre 2003 e 2009, a remuneração média do trabalhador brasileiro subiu 30% e o PIB cresceu menos de 20%. “De todos os períodos de crescimento que a economia brasileira experimentou, desde a década de 60 até os dias de hoje, o período entre 2001 e 2010 foi aquele em que a taxa de crescimento da produtividade do trabalho foi menor em relação à taxa de crescimento da economia”, diz o estudo. E a conclusão é simples: houve baixa incorporação de novas tecnologias e de investimentos em capital físico.

“Se quisermos crescer no longo prazo, precisamos avançar nas políticas de produtividade”, diz Marcelo Neri. Para o economista, a continuidade na trajetória de redução da desigualdade e ampliação da renda do trabalho per capita passa a depender cada vez mais da produtividade à medida que o país se aproxima do pleno emprego. “Nesse contexto brasileiro, há lições de livro-texto a enfatizar na agenda, como a importância da poupança e da educação para garantir crescimento e equidade”, afirma Neri.

O Brasil incluiu 40 milhões de brasileiros pela formalização do trabalho, aumento real do salário mínimo e ampliação da renda das classes excluídas. Mas, em 2013, os altos custos do trabalho, com o aumento da renda, tiraram a competitividade e impediram a economia de crescer. “Depois de dez anos ininterruptos de redução da desigualdade, o Brasil ainda tem uma margem, mas não conseguirá avançar indefinidamente. O ganho de produtividade é a fonte ilimitada de crescimento com bem-estar da população”, afirma o ministro. Para aumentar a produtividade, diz, entre as questões a serem atacadas pelo poder público estão a qualificação do trabalhador e a intensificação na utilização de tecnologia para o trabalho e inovação.

Menor competitividade e mais inflação

A baixa produtividade tem consequências desastrosas para a economia brasileira. Reduz a competitividade do setor privado, pressiona a inflação e a taxa de juros e inibe o crescimento econômico, segundo economistas ouvidos pela Desafios do Desenvolvimento.

Estudo do Ipea mostra que nos últimos 30 anos a produtividade dos trabalhadores da indústria de transformação despencou 15%. No mesmo período, os chineses viram sua competitividade subir 808%. Se o leitor achar injusta a comparação com os chineses, pode comparar o Brasil com o Chile, onde a produtividade aumentou 82,11% no período.

No ano passado, segundo dados do centro de pesquisas internacional The Conference Board, fundado nos Estados Unidos, a produtividade média do trabalhador brasileiro ficou 18,4% do desempenho médio do trabalhador norte-americano, com queda de 0,3% em relação ao ano anterior. Na prática, cinco brasileiros produzem a mesma riqueza que um norte-americano.

Todos esses números mostram que a produtividade no Brasil se mantém baixa. Mas, numa distorção tipicamente brasileira, os salários sobem pressionados pelo desemprego inferior a 6%. A renda aumenta e o consumo cresce acima do Produto Interno Bruto (PIB), que não deve passar de 2,5% em 2013. Mas a baixa produtividade impede que a produção industrial acompanhe o salário do trabalhador, criando o cenário perfeito para alimentar a inflação. No esforço de controlar os preços, o Banco Central eleva os juros. E os juros altos atrapalham o crescimento.

O aumento do consumo acima do PIB tem outro revés, pois consome a poupança interna. Atualmente, a taxa de poupança brasileira é de 15% e, para crescer com base em investimentos, o Brasil precisa de recursos externos, o que pode aumentar o déficit em conta- -corrente. Como se pode ver, combater a baixa produtividade é fundamental para a saúde da economia brasileira.


CENÁRIO INTERNACIONAL O subsecretário da SAE, Ricardo Paes de Barros, lembra que, no início dos anos 1980, a produtividade brasileira se igualava à da Coreia do Sul e era dez vezes maior do que a chinesa. O quadro é completamente diferente no momento. A China se aproximou do Brasil e a Coreia do Sul tem uma taxa quatro vezes maior do que a brasileira.

Paes de Barros lembra que o estudo Determinantes da Produtividade do Trabalho aponta uma série de pontos que devem merecer atenção, como valorizar o trabalhador, diversificar os produtos, reduzir perdas em logística, aproveitar as oportunidades, diminuir os entraves burocráticos, expandir as fronteiras tecnológicas, investir em inovação e reduzir a rotatividade da mão de obra.

No Brasil, em julho deste ano, o professor da Universidade Columbia, economista José Alexandre Scheinkman, disse em entrevista à Folha de S. Paulo que nos Estados Unidos o foco atual dos estudos sobre produtividade é entender por que “duas firmas da mesma indústria, usando trabalhadores com o mesmo nível de educação (...), produzem quantidades diferentes”, isso no Brasil e nos Estados Unidos.

De acordo com o Relatório de Competitividade Global para 2013-2014, do Fórum Econômico Mundial, “apesar do crescimento econômico robusto observado nos últimos anos, a América Latina continua a sofrer com as baixas taxas de produtividade”. Mesmo assim, entre 148 países avaliados, o Brasil está na 56ª posição atrás do Chile (34ª), Panamá (40ª), Costa Rica (54ª) e México (55ª).

rd78not04img09








Dez sugestões para aumentar a produtividade


As recomendações são do economista Jorge Arbache, professor da Universidade de Brasília e assessor especial da Presidência do BNDES para projetos de internacionalização e competitividade da economia brasileira.

FOMENTAR AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A produtividade média das MPEs é baixa. Como esse setor representa 99%, o desempenho contamina toda a produtividade da economia. São necessárias políticas que permitam o maior acesso das MPEs a mercados, tecnologias, inovação, capital humano e crédito, além de maior integração das MPEs às cadeias produtivas mais sofisticadas, como as dos setores petroquímico, aeronáutico e agronegócio.

INVESTIR NO CAPITAL HUMANO A mão de obra é limitada e deficiente. É preciso dar mais atenção à educação básica, ajustar os currículos ao mercado de trabalho, aplicar recursos com base em resultados e introduzir as melhores práticas de gestão, governança e transparência nas escolas. A educação profissional deve complementar o ensino regular e empresas precisam investir mais nos seus funcionários.

APLICAR RECURSOS NO SETORES PRODUTIVOS É preciso elaborar políticas que incentivem investimentos em setores mais inovadores e intensivos em capital e tecnologia.

APERFEIÇOAR OS SERVIÇOS PÚBLICOS É fundamental melhorar a qualidade da educação, saúde, segurança, mobilidade urbana e logística, reduzir os impostos, burocracia, custo do capital e insegurança jurídica.

AMPLIAR PARTICIPAÇÃO NAS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR O Brasil precisa produzir mais bens e serviços que tenham valor global. A participação em cadeias produtivas internacionais é um poderoso vetor de aumento da produtividade.

AGREGAR VALOR AOS PRODUTOS Promover marcas, investir em design, moda, tendências, novas tecnologias e em inovação tem o potencial de qualificar empresas para explorar mercados de alto valor agregado.

DIVERSIFICAR A ECONOMIA A diversificação fortalece as cadeias produtivas, encoraja o investimento em inovação e tecnologia, reduz a dependência econômica de poucos setores, protege a economia de choques externos e ajuda a reduzir a volatilidade do crescimento.

ESTIMULAR A COMPETIÇÃO É preciso reduzir os custos de entrada e saída de empresas nos mercados, remover obstáculos legais que inibem a competição e reduzir os oligopólios e monopólios.

ESTIMULAR A CULTURA DA MERITOCRACIAL A meritocracia é condição para que as pessoas possam calcular os riscos de investir em capital humano e se interessar por empreendedorismo, inovação e tecnologia.

REDUZIR POBREZA E DESIGUALDADE O aumento da produtividade dos pobres é o mais poderoso instrumento de inclusão social e eleva a produtividade média. É preciso ampliar a qualificação e o acesso dos grupos vulneráveis e microempreendimentos informais a mercados, crédito, informação e tecnologias.

Segundo o relatório, entre os motivos para tão baixa colocação está a falta de reformas estruturais e tributárias. “A região latino- americana continua afetada pelo funcionamento das instituições frágeis, infraestrutura deficiente e ineficácia da alocação dos fatores de produção”, afirma o comunicado do Fórum Econômico Mundial. Os analistas do fórum dizem que as baixas posições são resultado de “um nível insuficiente de concorrência e de uma brecha em termos de formação e capacitação, tecnologia e inovação, que impede muitas companhias de avançarem para atividades de maior valor agregado”.

Para o economista Jorge Arbache, professor da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em produtividade, há iniciativas tanto públicas quanto privadas com impactos positivos sobre o indicador no Brasil. Ele cita os programas Bolsa Família, Microcrédito, Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), concessões, Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), reforma do Cade e criação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural como alguns exemplos. Mas destaca que “o desafio de elevar a produtividade no Brasil exige esforços de integração de políticas existentes com outras sugeridas, dentro de uma estratégia comum”.

No seu artigo Por que produtividade baixa?, Arbache escreveu que as causas da baixa produtividade do Brasil são variadas e complexas e suas soluções requerem a participação de todos. “À medida que o avanço da produtividade pode proporcionar enormes benefícios em termos de crescimento econômico sustentado, competitividade internacional e geração de bons empregos e renda, parece-nos razoável sugerir que essa agenda deveria ser elevada à condição de prioridade nacional”. Como se pode ver, a produtividade será a agenda do Brasil a partir de 2014.