resep nasi kuning resep ayam bakar resep puding coklat resep nasi goreng resep kue nastar resep bolu kukus resep puding brownies resep brownies kukus resep kue lapis resep opor ayam bumbu sate kue bolu cara membuat bakso cara membuat es krim resep rendang resep pancake resep ayam goreng resep ikan bakar cara membuat risoles
Aqui não é Detroit
29/01/2015 11:53

2014 . Ano 12. Edição 81 - 05/10/2014


rd80art01img001

Bruno de Oliveira Cruz

Aqui não é Detroit foi o título de festival cultural no vale do Ruhr, em cidades da Alemanha, para tentar diferenciar regiões industriais em países desenvolvidos, mas que atualmente sofrem a decadência da perda de empregos industriais e o esvaziamento tanto econômico como demográfico. Mas o que fez Detroit se tornar um caso tão visível e icônico desta decadência econômica?

A cidade abriga as principais montadoras americanas, sede da GM e da Ford, e foi lá que surgiu o Fordismo, produção em massa consagrada na primeira metade do século XX e que revolucionou a indústria automobilística. Detroit tornou-se uma cidade dinâmica, polo cultural e de inovação nos Estados Unidos. O Museu de Artes testemunha este período áureo. Possui ampla coleção de obras de arte. Diego Rivera, o grande pintor mexicano marido de Frida Khalo, foi convidado pelo próprio Ford para realizar ali no museu de Detroit uma de suas obras--primas, o painel sobre a indústria.

A cidade, já bastante florescente e dinâmica, acolhia os migrantes negros do sul do país e assim a música passou a ter grande destaque nela, com a criação da famosa gravadora Motown, um celeiro de sucessos americanos, lançando desde Stevie Wonder ao Jackson5. Detroit passou a ser também um das principais cidades na luta por direitos e liberdades civis e fortalecimento dos sindicatos.

Mas hoje o cenário é desolador. Detroit atingiu seu pico populacional em 1950, quando chegou a ter quase dois milhões de habitantes. De lá para cá, vem perdendo gradualmente população e hoje conta com apenas 700 mil moradores e uma dívida de US$ 20 bilhões. Em consequência disso e da crise de 2008, existem 80 mil edificações abandonadas.

A perda de população e a migração da população branca para subúrbios mais afluentes no estado de Michigan acirraram a questão racial e a criminalidade. Além disso, como a educação básica no país é financiada em sua maioria por tributos locais, houve uma queda na qualidade do ensino, agravando ainda mais os problemas sociais. Segundo a Forbes, Detroit é a cidade mais violenta dos EUA e serviu de cenário para a filmagem, nos anos 1980, de Robocop.

Com todos estes problemas, Detroit torna-se, nos fins da primeira década dos anos 2000, a maior cidade dos EUA a pedir concordata. A decadência da cidade e do entorno serviu de cenário para Michael Moore lançar o documentário Roger e eu (1989) e depois novamente em Capitalismo, um caso de amor. Todos estes fatos ajudam a consolidar Detroit como o exemplo maior da perda de empregos industriais nos EUA.

Olhando para o caso brasileiro, tendo visível o caso de Detroit, mas também de outras cidades industriais nos países desenvolvidos, podemos refrasear H. Minsky e nos perguntar “Será que isto pode acontecer aqui?” É fato que há queda da participação da indústria na economia. Temos observado este fenômeno desde o final da década de 1980. A relação em “u” invertido da Curva de Kuznets é bastante conhecida na literatura econômica, a transição de economia agrícola para industrial e por fim para serviços. No Brasil, diferentemente dos países desenvolvidos, este fenômeno vem ocorrendo a níveis de renda per capita muito inferiores.

As regiões metropolitanas do Sudeste, em especial São Paulo e Rio, estão perdendo relativamente peso na participação da indústria com o crescimento de cidades médias e regiões metropolitanas em áreas periféricas como Norte e Nordeste. O formato do federalismo brasileiro parece supor que o caso extremo de Detroit é pouco provável que aconteça. Tome-se como exemplo Manaus, que talvez tenha sido o caso mais extremo de decadência econômica no século passado, e ainda hoje temos a Zona Franca e a renovação destes incentivos por anos à frente.

O que de fato é importante para o país é pensar uma política de consolidação da indústria. O exemplo do florescimento do setor naval é promissor para que possamos de fato consolidar o desenvolvimento do país. O cenário tão desolador quanto o de Detroit parece pouco provável no Brasil, mas não devemos nos contentar com isso. Há necessidade de se pensar em complementação de cadeias produtivas no país e uma inserção cada vez maior em cadeias mundiais de valor.

Divulgado por Michael Moore em seus documentários sobre o capitalismo, o vídeo sobre Cleveland (Ohio), vizinha ao estado de Michigan, também no chamado “cinturão enferrujado”, ironiza as mazelas de Cleveland e sarcasticamente conclui: pelo menos “nós não somos Detroit”. O Brasil deve, sim, pensar uma nova política industrial. Dizer que “pelo menos não somos Detroit” não parece ser o suficiente.

___________________________________________________________________________________

Bruno de Oliveira Cruz é técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea.

Última atualização em 12/05/2015 09:47
 
Copyright © 2007 - DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.
Revista Desafios do Desenvolvimento - SBS, Quadra 01, Edifício BNDES, sala 1515 - Brasília - DF - Fone: (61) 2026-5334