resep nasi kuning resep ayam bakar resep puding coklat resep nasi goreng resep kue nastar resep bolu kukus resep puding brownies resep brownies kukus resep kue lapis resep opor ayam bumbu sate kue bolu cara membuat bakso cara membuat es krim resep rendang resep pancake resep ayam goreng resep ikan bakar cara membuat risoles
Mercado brasileiro atrai imigrantes
23/04/2015 14:23

2014 . Ano 11 . Edição 82 - 31/12/2014


Guilherme de Oliveira Schmitz

 

Segundo as Nações Unidas, nos últimos 25 anos os fluxos de imigrações internacionais têm demonstrado um padrão constante caracterizado pelo crescimento do número de imigrantes e pela maior propensão dos habitantes do Sul global a imigrarem do que os do Norte global. No entanto, um fenômeno distinto vem sendo observado quanto ao destino desses fluxos: países emergentes tornaram-se grande polo de atração de imigrantes e, consequentemente, vêm avultando a migração Sul-Sul. Em 2013, o estoque de imigrantes internacionais no mundo chegou a 232 milhões de pessoas, das quais 59% vivem em países desenvolvidos e 41% em países em desenvolvimento. Dos 136 milhões de imigrantes vivendo no Norte global, 60% são originários de países em desenvolvimento. A participação dos originários de países em desenvolvimento no fluxo de imigração para o Sul global aumentou para 86%, o equivalente a 96 milhões de residentes que optaram por imigração no âmbito Sul-Sul (UNDESA, 2013).

O aumento significativo de pessoas que optam por deixar seus países tem se dado, sobretudo, pelas facilidades proporcionadas pelos avanços tecnológicos, que permitem a redução de custos de transporte e comunicação, reduzem os espaços geográficos e facilitam a integração de países e pessoas no mundo, bem como proporcionam a queda de barreiras de circulação, aumentando o fluxo de bens, serviços, capital, conhecimento e ideias (Stiglitz, 2002). Por outro lado, o crescimento da imigração tem também acarretado políticas de controle migratório cada vez mais opressivas, com alto grau de seletividade, quase sempre baseadas em questões de segurança e em detrimento do aspecto humanitário.

Em razão de ser um fenômeno social mais antigo, muitos dos olhares ao tema tomam como ponto de partida a migração Sul-Norte como objeto, porém pouco se trata do aspecto Sul-Sul das imigrações internacionais e de seu consequente impacto no processo de desenvolvimento tanto do país de origem como do de destino. A necessidade de um olhar particular para este fenômeno galopante torna especiais os impactos em ambas as sociedades, principalmente quando ambos os polos apresentam características de vulnerabilidades socioeconômicas e pela natureza híbrida destes países em serem polos de atração, mas também provedores de capital humano. Atualmente, nenhum país situado no Sul global apresenta em seus registros a característica de ser país receptor líquido de imigrantes.

Apesar de não ser um país receptor líquido de imigrantes, o fluxo de estrangeiros em busca de uma vida mais satisfatória no Brasil tem crescido, na última década, e o país tem vivido uma nova onda de migração em sua história, sobretudo, de origem latino-americana e africana. Atraída especialmente pelos mercados de trabalho das regiões Sudeste e Sul do país, a corrente imigratória de origem de países em desenvolvimento está em etapa de evasão crescente, a ponto de o fluxo migratório haitiano ter ultrapassado, nos últimos anos, o português, até então a principal região de origem de imigrantes para o Brasil, segundo o Conselho Nacional de Imigração.

Os imigrantes alteram o contexto social, cultural, econômico e institucional das comunidades que os recebem, inserindo nelas novos conhecimentos e habilidades. O processo de atração é contínuo e cada vez maior. Imigrantes pioneiros estabelecem e facilitam o caminho para novos imigrantes. O fluxo migratório ganha força e autonomia. Consequentemente, o fenômeno em fase de expansão demanda políticas públicas para proporcionar a assimilação desses trabalhadores no mercado nacional e cria o "momento" para repensar a política migratória do país e o seu estatuto do estrangeiro.

Datado de 1980, o estatuto no Brasil foi promulgado num contexto de abertura política do país, mas com evidente influência da doutrina de segurança sobre o tema. O estrangeiro é visto como um alienígena e sob o ponto de vista inicial de uma possível ameaça à nação. Neste contexto, os aspectos humanitários e positivos da vinda dos imigrantes são tangenciados e há desafios sociais, como a discricionariedade, a exclusão social e os direitos políticos negligenciados.

 

___________________________________________________________________________________

Guilherme de Oliveira Schmitz é técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea

Última atualização em 17/06/2015 14:07
 
Copyright © 2007 - DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.
Revista Desafios do Desenvolvimento - SBS, Quadra 01, Edifício BNDES, sala 1515 - Brasília - DF - Fone: (61) 2026-5334